domingo, 4 de maio de 2008

Poema de Sombra...

.
POEMA DE SOMBRA
Se perdem gestos, cartas de amor, malas, parentes.
Se perdem vozes, cidades, países, amigos.
Romances perdidos, objetos perdidos, histórias se perdem.
Se perde o que fomos e o que queríamos ser.
Se perde o momento.
Mas não existe perda, existe MOVIMENTO.
(Bruna Lombardi)
.
.
Estas palavras lindas são do filme 'O Signo da cidade'. Falar sobre este filme é falar sobre a vida, sabe? A história merece os elogios que vêm recebendo, porque tu pode não acreditar na capacidade dele no começo, mas logo te surpreende com uma visão doída, mas bonita, da vida. É verdadeiro. São pessoas tentando se acertar, são vidas tentando serem vividas da forma mais justa, afinal, não sabemos o que vêm depois, o presente é a nossa maior chance de fazer valer nossas vontades, sonhos e todo o resto que acreditamos. E deveríamos, mais do que qualquer coisa, acreditar na vida.
.
E, durante o filme, é impossível tu não pensar que diabos tu está fazendo contigo mesmo. Refleti um monte e cheguei a uma conclusão: preciso de mais felicidade. Mas não de felicidade barata, esmolas de felicidade. A que eu quero é cheia de amor próprio e de entrega plena à parte que merece da vida. Então me reservei o dever de dizer não aos afobamentos, desesperos, dúvidas e sofrimentos sem sentido. Não a este monte de coisa que não leva a lugar nenhum. Estou me reinventando, e posso me dar ao luxo de assim fazer. Estou me recriando a cada dia, digerindo-me e tentando ser cada vez mais feliz. Porque é isto que eu quero: ser feliz para sempre, não importa o quanto este 'para sempre' seja relativo, mas que tente o fazer valer até o fim.
.
Bom, o que interessa é que fiquei maravilhada com as palavras ali de cima. É exatamente como eu penso. Depois de muitos ciclos que vivi, e de muitas coisas que perdi, é assim que entendo tudo o que passei. Porque viver é isto aí mesmo. Por mais que a gente mude e nesta mudança se perca algo que nos parecia vital, na verdade, estamos apenas tentando fazer valer a nossa existência. É que quando dizemos sim pra vida não perdemos, apenas mudamos de estrada, trocamos algumas coordenadas e seguimos o caminho que nos parece mais encantador. O que deixamos cair vira lembrança que, em dias chuvosos e solitários como hoje, vêm à tona para nos fazer companhia junto com um belo copo de vinho e o CD de blues comprado no mês passado.
.
.
____________________
.
Sobre os dias que virão....
.
> Estou muito feliz pelos que chegam. Estou feliz porque, nesta semana, vou estar envolta pelas pessoas que eu mais amo. Time quase completo. E chego a ouvir, aqui do meu solitário computador, as risadas que estão por vir. Louca que chegue terça faço interurbanos, fico horas no telefone, como se isto fosse apressar o passar do tempo, para que eu possa ficar logo com as coisas mais preciosas que eu tenho. Que chegue logo a hora de afogar tudo que anda me fazendo mal nos braços e abraços de quem me faz sempre bem. De quem me quer bem, não importa se eu ruir comigo mesma.
.
> Pois é, pessoas. Parece que tem alguém que está se movimentando. Parece que alguém está aprendendo com os passos mal dados. Até que enfim.
.
.
Uns Beeeeijos a todos. E que tenhamos a sorte de, quem sabe um dia, nos encontrarmos nos acasos dos nossos movimentos...

2 comentários:

Mia disse...

Meo, tô favoritando seu blog e não sei como não tinha botado na minha lista ainda, pq já tinha vindo aqui antes! Adoreeeei!
Bjão

Alice disse...

Fiquei com mais vontade ainda de ver o filme...rs

Beijo e apareça,
Alice

www.asmaravilhasdopaisdealice.blogger.com.br