sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Caio F. Abreu

.
"Então me vens e me chegas e me invades e me tomas e me pedes e me perdes e te derramas sobre mim com teus olhos sempre fugitivos e abres a boca para libertar novas histórias e outra vez me completo assim, sem urgências, e me concentro inteiro nas coisas que me contas, e assim calado, e assim submisso, te mastigo dentro de mim enquanto me apunhalas com lenta delicadeza deixando claro em cada promessa que jamais será cumprida, que nada devo esperar além dessa máscara colorida, e que assim me queres porque assim que és..."

Um comentário:

Flavih Jones disse...

Caio Abreu, sempre tão profundo não é?!

Lindo o teu blog.