quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

Conversa de botas batidas

- Veja você onde é que o barco foi desaguar
- a gente só queria o amor...
- Deus parece às vezes se esquecer
- ai, não fala isso, por favor
Esse é só o começo do fim da nossa vida
Deixa chegar o sonho, prepara uma avenida que a gente vai passar
.
- Veja você, quando é que tudo foi desabar
- A gente corre pra se esconder...
- E se amar, se amar até o fim
- sem saber que o fim já vai chegar
.
Deixa o moço bater que eu cansei da nossa fuga
Já não vejo motivos pra um amor de tantas rugas não ter o seu lugar
.
Abre a janela agora,
deixa que o sol te veja
É só lembrar que o amor é tão maior que estamos sós no céu
Abre as cortinas pra mim que eu não me escondo de ninguém
O amor já desvendou nosso lugar e agora esta de bem
.
Deixa o moço bater que eu cansei da nossa fuga
Já não vejo motivos pra um amor de tantas rugas não ter o seu lugar
.
Diz quem é maior que o amor?
Me abraça forte agora, que é chegada a nossa hora
Vem, vamos além. Vão dizer que a vida é passageira
Sem notar que a nossa estrela vai cair...
.
Conversa de Botas de Batidas. Musica linda cheia de paixão intensa, num diálogo entre dois amantes sobre uma vida de amor.
.
Então... eu ia colocar só uns pedacinhos aqui porque realmente essa música me diz muito, quando joguei no google o título e veio isto: "o que eu nunca tinha desconfiado é que essa música é uma história real. Marcelo leu uma notícia em um jornal que um casal de idosos que tinham tido um relacionamento quando jovens, se encontraram e decidiram assumir essa paixão. Então eles se encontravam escondidos em um hotel sem qualquer incômodo ou qualquer maledicência. Estavam ali para amar e não queriam ninguém os julgando por qualquer motivo que fosse. Um certo dia o hotel que eles se encontravam estava desabando. E um dos funcionários, na correria para salvar os hóspedes, bateu na porta do quarto em que eles estavam e ninguém abriu. Não se sabe se eles estavam dormindo ou se preferiram morrer, ali juntos, sem ter que nunca mais esconder aquele amor. Os dois morreram e a notícia saiu no jornal. Então Marcelo Camelo descreve na música um possível diálogo deles dois pouco antes de morrer. Como só ele pode descrever. É de uma poesia incrível. De uma sensibilidade raramente vista."
.
E agora eu reconto aqui, pra relembrá-los da genialidade do compositor.
.
Abre a janela agora...

Um comentário:

D. Cavalcanti disse...

Gosto das suas palavras.. e adoroo muito, nao so o marcelo..como o los hermanos em si.
por favor..nao demore tanto a postar..pedido de uma pessoa q curte demais suas palavras!